quinta-feira, 21 de Dezembro de 2006

Quatro poemas de Natal, por Miguel Torga

Miguel Torga é o nome literário do médico Adolfo Rocha. Poeta, ensaísta, dramaturgo, romancista e contista. Em 21 de Novembro de 1948, a convite do Dr. Fernando Vale que na altura exercia o cargo de Director Clínico do Hospital Condessa das Canas, o médico Adolfo Rocha especialista em otorrinolaringologia, começou as suas consultas nesse hospital. Com o médico Adolfo Rocha foi também o poeta e escritor, Miguel Torga.
Em 1992 doou o espólio do seu consultório em Coimbra ao Hospital da Misericórdia de Arganil, que o expôs em espaço acessível ao visitante, junto ao antigo consultório do médico. São vários os testemunhos da passagem de Miguel Torga pela Beira Serra.
Mas agora, diante do clima natalicio, nada melhor que conhecer alguns poemas de Natal que o poeta nos legou.

Natal
Ninguém o viu nascer.
Mas todos acreditam
Que nasceu.
É um menino e é Deus.
Na Páscoa vai morrer, já homem,
Porque entretanto cresceu
E recebeu
A missão singular
De carregar a cruz da nossa redenção.
Agora, nos cueiros da imaginação,
Sorri apenas
A quem vem,
Enquanto a Mãe,
Também
Imaginada,
Com ele ao colo,
Se enternece
E enternece
Os corações,
Cúmplice do milagre, que acontece
Todos os anos e em todas as nações.
Miguel Torga

Natal
Devia ser neve humana
A que caia no mundo
Nessa noite de amargura
Que se foi fazendo doce...
Um frio que nos pedia
Calor irmão, nem que fosse
De bichos de estrebaria.
Miguel Torga

Natal
Leio o teu nome
Na página da noite:
Menino Deus...
E fico a meditar
No milagre dobrado
De ser Deus e menino.
Em Deus não acredito.
Mas de ti como posso duvidar?
Todos os dias nascem
Meninos pobres em currais de gado.
Crianças que são ânsias alargadas
De horizontes pequenos.
Humanas alvoradas...
A divindade é o menos.
Miguel Torga

Natal
Nem pareces o mesmo,
Deus menino
Exposto
Num presépio de gesso!
E nunca foi tão santa no teu rosto
Esta paz que me dás e não mereço.

É fingida também a neve
Que te gela a nudez.
Mas gosto dela assim,
A ser tão branca em mim
Pela primeira vez.
Miguel Torga

Etiquetas: ,

1 Comments:

Anonymous Anónimo said...

escolha perfeita.

20 Dezembro, 2012 23:31  

Enviar um comentário

<< Home